A mais lembrada entre todas as Bienais, é conhecida como “Bienal da Guernica”, referenciando a mais famosa obra de Pablo Picasso, de 1937. Com quase o dobro de obras em relação à edição anterior, a 2ª Bienal foi realizada já no Parque Ibirapuera, aproveitando sua inauguração e ocupando dois pavilhões projetados por Oscar Niemeyer (1907-2012): o Palácio dos Estados (atual Pavilhão das Culturas Brasileiras) e o Palácio das Nações (atual Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega, onde está situado o Museu Afro Brasil). Estende-se até o ano seguinte, para fazer parte das comemorações do 4º Centenário da cidade de São Paulo.

13 de dezembro de 1953 - 26 de fevereiro de 1954

Realizada pelo MAM-SP
Presidente do MAM-SP: Ciccillo Matarazzo
Diretor Artístico: Sérgio Milliet
Na comissão artística: Flávio de Carvalho, Mário Pedrosa, Tarsila do Amaral
No júri de premiação: Herbert Read (poeta e crítico de arte britânico), Max Bill

Salas especiais

A Paisagem Brasileira até 1900 (org. Rodrigo Mello Franco de Andrade), Futurismo, Cubismo, Elyseu Visconti, Paul Klee, Oskar Kokoschka, James Ensor, J. F. Willumsen, Alexander Calder, Pablo Picasso, Piet Mondrian, Edvard Munch, Germaine Richier, Ferdinand Hodler, Henri Laurens, Henri-Georges Adam, Henry Moore, Petar Lubarda, Rufino Tamayo.

  • Eventos paralelos

  • 2ª Exposição Internacional de Arquitetura
    1º Concurso internacional para escolas de arquitetura

    Affonso Eduardo Reidy, Alvar Aalto. S.E.: Walter Gropius; entre os arquitetos brasileiros: Roberto Burle Marx, Sérgio Bernardes; entre os arquitetos estrangeiros: Arne Jacobsen; sala especial de Walter Gropius.
  • Concurso de cartazes
  • Festival Internacional de Cinema

Cartaz da 2ª Bienal de São Paulo. Autor: Antonio Bandeira

“A arte moderna pode ser uma gargalhada sarcástica, exibir-nos uma vontade irreprimível de fuga, pode apresentar-nos um gesto paciente de colaboração, revelar-nos uma experiência de sintonização científica. Ela inquieta e perturba. Não raro conforta. Não é sempre uma expressão necessária. Daí sua fôrça, sua afirmação, sua razão de ser” 
texto de Sérgio Milliet, na introdução do catálogo da 2ª Bienal.

Obra de destaque: Guernica (1937) de Pablo Picasso

2ª Bienal de São Paulo
20 2014
2ª Bienal de São Paulo
14 2014
5ª Bienal de São Paulo
27 2013
3ª Bienal de São Paulo
17 2013