Processo de seleção de obras e influência demasiada de Ciccillo Matarazzo foram contestados pelos artistas brasileiros. Esta foi a primeira vez em que a Bienal realizou-se no espaço que viria a ser sua permanente sede, no Pavilhão das Indústrias do Parque Ibirapuera (um prédio de 25 mil m² projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer). Polêmicas marcaram a edição, quando nomes consagrados no cenário artístico nacional, como Flávio de Carvalho, tiveram seus trabalhos recusados pelo júri. O pintor expressionista abstrato Jackson Pollock, falecido no ano anterior, teve uma sala especial, organizada pela representação americana, em pleno auge de seu reconhecimento internacional.

22 de setembro - 30 de dezembro de 1957

Realizada pelo MAM-SP
Bienal muda-se para o Pavilhão das Indústrias, hoje conhecido como Pavilhão da Bienal
Presidente do MAM-SP: Ciccillo Matarazzo
Diretor artístico: Sérgio Milliet
No júri de seleção: Lívio Abramo, Lourival Gomes Machado
No júri de premiação: Alfred Barr (MoMA), Maria Martins

Salas especiais

4.000 Anos de Vidro (Coleção Ernesto Wolf), A Escultura dos Esquimós, Ben Nicholson, Exaltação da Cor, Giorgio Morandi, Jackson Pollock, Lasar Segall, Marc Chagall, Os Pintores Ingênuos, Pintores Abstratos, Realidades Insólitas, Teatro Grego até 1900, Victor Brecheret

Cartaz da 4ª Bienal de São Paulo. Autor: Alexandre Wollner

  • Eventos paralelos

  • 4ª Exposição Internacional de Arquitetura
    3º Concurso internacional de escolas de arquitetura

    no júri de premiação: Mies Van der Rohe, Philip Johnson; entre os arquitetos brasileiros: Plínio Croce, Roberto Aflalo, Salvador Candia; entre os arquitetos estrangeiros: Annibale Fiocchi.
  • 1ª Bienal de Artes Plásticas do Teatro
  • Seminários de música pró-arte
  • Concurso de cartazes

Sala especial de Jackson Pollock, que integra a representação norte-americana

4ª Bienal de São Paulo
01 2014
4ª Bienal de São Paulo
04 2013
5ª Bienal de São Paulo
27 2013
5ª Bienal de São Paulo
03 2012
4ª Bienal de São Paulo
16 2012
4ª Bienal de São Paulo
29 2011
5ª Bienal de São Paulo
28 2011