Um momento de gigantismo marcou a edição, cujo número excessivo de obras criou um panorama eclético e de difícil compreensão. Esta foi a primeira edição desvinculada do Museu de Arte Moderna de São Paulo e realizada sob responsabilidade da Fundação Bienal de São Paulo. No ano anterior Wanda Svevo havia falecido e foi homenageada no catálogo dessa Bienal.

28 de setembro - 22 de dezembro de 1963

Fundação Bienal de São Paulo é criada no ano anterior e assume a produção das Bienais
Presidente da Bienal: Ciccillo Matarazzo
Diretor geral: Mário Pedrosa. Assessoria: Geraldo Ferraz (crítico de arte), Sérgio Milliet, Walter Zanini
No júri de seleção: Sérgio Milliet, Walter Zanini
No júri de premiação: Giulio Carlo Argan (historiador de arte italiano), Martin Friedman (Walker Art Center, EUA)

Salas especiais

A Pintura de Wega, Adolph Gottlieb, Anatol Wladyslaw, Arte Colonial Boliviana, Arte Popular da Grécia (séc. 17 e 18), Arthur Luiz Piza, Bohumil Kubišta, Cândido Costa Pinto, Di Cavalcanti, Emil Nolde, Escola Kokoschka (tapeçaria), Exposição de Arte Pré-Colombiana, Flávio de Carvalho, Frans Krajcberg, Franz Weissmann, Geer Van Velde, Iberê Camargo, Isabel Pons, Jean-Michel Atlan, Lygia Clark e os seus “Bichos”, Lope de Vega (1562-1635), Manabu Mabe, Oeil de Boeuf - Escola de Paris, Os Pioneiros da Arquitetura Moderna no Brasil, Paulo Cláudio Rossi Osir, Rafael Barradas, Retrospectiva de Anita Malfatti, Sergio Bernardes, Tarsila do Amaral.

Cartaz da 7ª Bienal de São Paulo. Autor: Danilo Di Prete

  • Eventos paralelos

  • 7ª Exposição Internacional de Arquitetura
    5º Concurso internacional de escolas de arquitetura

    assessoria: Oswaldo Corrêa Gonçalves; no júri de premiação: Acácio Gil Borsói, Jorge Wilheim; sala especial: Sérgio Bernardes.
  • 4ª Bienal de Artes Plásticas do Teatro
    organizador: Serviço Nacional do Teatro; assessoria: Aldo Calvo e Sábato Magaldi; orientação: Roberto Freire e Agostinho Olavo; entre os selecionados: Flávio Império, Marie Louise Nery.
  • 2ª Bienal Internacional do Livro e das Artes Gráficas
    organizador: Câmara Brasileira do Livro; assessoria e orientação: Jannart Murtinho Ribeiro; no júri de premiação: Carmen Portinho, Paulo, Mendes da Rocha, Sérgio Milliet; entre os selecionados: Danilo Di Prete, Kevin Harrington.
  • Concurso de cartazes
  • Festival de cinema
    organizador: Fundação Cinemateca Brasileira; orientação: Paulo Emílio de Salles Gomes e Rudá de Andrade.
  • Exposição: Aspectos Modernos da Arquitetura Japonesa
  • Exposição: Cartas e Mapas históricos
  • Exposição de cartazes
  • Exposição industrial da Hungria
  • Design de joias
    no júri de seleção: Aracy Amaral, Walter Zanini; entre os selecionados: Caio Mourão, Roberto Burle Marx, Amelia Toledo.
  • Festival de cinema japonês
“[...] artistas jovens, estimulados especialmente pela exposição de gobelinos franceses realizada no Museu Austríaco de Artes Aplicadas, em 1949, começaram a dedicar-se inteiramente à tecelagem de tapeçarias. A maioria dêsses artistas, vindos da pintura de quadros de cavalete, da gravura ou do artesanato, encontraram na antiga técnica de tecer campo adequado a resolver problemas da arte de nosso tempo com material nôvo e fascinante.” 
Texto de Wilhelm Mrazek sobre a sala especial Tapeçarias Modernas da Áustria, publicado no catálogo da 7ª Bienal
5ª Bienal de São Paulo
31 2015
4ª Bienal de São Paulo
04 2013