Meses após o lançamento do Ato Institucional n. 5 (AI-5), oitenta por cento dos artistas convidados recusaram-se a participar da Bienal como forma de protesto contra a ditadura militar. A décima edição recebeu o apelido de “Bienal do Boicote”.

27 de setembro - 14 de dezembro de 1969

Presidente da Bienal: Ciccillo Matarazzo
Na comissão técnica de arte: Aracy Amaral, Waldemar Cordeiro, Wolfgang Pfeiffer (crítico de arte)
No júri de seleção: Mário Schenberg, Oswald de Andrade Filho, Walmir Ayala
No júri de premiação: Doris Shadbolt (curadora canadense), Patrick Waldberg

Salas especiais

50 anos de Bauhaus, Arte Mágica, Arte e Tecnologia, Chu-Teh-Chun, Etapas Artísticas Brasileiras, Fantástica e Surrealista, Jacek Malczewski, José Cuneo Perinetti, Margot Fanjul, Novos Valôres Brasileiros, Sesostris Vitullo, Tapeçaria Francesa.

  • Eventos paralelos

  • 10ª Exposição Internacional de Arquitetura
    8º Concurso internacional de escolas de arquitetura
    salas especiais: Banco Nacional de Habitação (Brasil), Universidades (Alemanha)
  • 6ª Bienal de Artes Plásticas do Teatro
    salas especiais: Fantoches, Bonecos e Marionetes (Brasil), Aldo Calvo (Brasil)
  • 4ª Bienal Internacional do Livro e das Artes Gráficas
  • 2ª Bienal de Ciência e Humanismo
  • Bienal de Fotografia
  • Concurso de cartazes
  • Concurso de charges
  • Design de joias
  • Mesa Redonda Interncional de Críticos de Arte: Diretrizes das Futuras Bienais
  • Quadrienal de Teatro
  • Exposição de Arte Maia
  • Exposição Internacional de Selos
  • Exposição Internacional do Livro de Arte
  • Exposição de Propaganda e Publicidade
  • Encontro de Reitores e Arquitetos/Seminário Sobre Planejamento de Campus Universitário

Cartaz da 10ª Bienal de São Paulo. Autora: Maria Argentina Bibas

No ano anterior, 1968, a II Bienal da Bahia fora censurada pela ditadura militar. A III Bienal da Bahia seria retomada apenas em 2014. 
(Fonte: Fernando Oliva, “Censorship, Resistance and Reenactment: Bienal da Bahia, 46 Years Later”, in Making Biennial in Contemporary Times: Essays from the World Biennial Forum nº 2. São Paulo: ICCo - Instituto de Arte Contemporânea, Fundação Bienal de São Paulo, 2015, p.57-65. Disponível aqui)
"Na França, escreve Aracy Amaral, liderados pelo crítico de arte Pierre Restany, ‘em uma reunião no Musée d'Art Moderne, 321 artistas e intelectuais assinaram, no dia 16 de junho, um manifesto Non à la Biennale, baseado na declaração de testemunhas e na documentação relativa à censura no Brasil’. O manifesto foi veiculado também nos Estados Unidos (The New York Times) e na Itália (Corriere della Sera)" 
– Texto de Agnaldo Farias, curador, na publicação Bienal 50 anos. Disponível aqui)

publicações

5ª Bienal de São Paulo
02 2014
4ª Bienal de São Paulo
04 2013
5ª Bienal de São Paulo
02 2013
10ª Bienal de São Paulo
19 2013
10ª Bienal de São Paulo
12 2013
5ª Bienal de São Paulo
03 2012
7ª Bienal de São Paulo
22 2012