Novamente boicotada pelos artistas, a Bienal foi inaugurada sob polêmicas e sofreu com o exílio de Mario Pedrosa, que estivera à frente da maioria das Bienais em sua primeira década, tendo assumido a direção-geral da sexta e da sétima edições. Criada a Comissão Técnica de Arte para coordenar o programa da Bienal. A seleção de artistas brasileiros foi feita a partir de uma pré-Bienal realizada no ano anterior.

4 de setembro - 15 de novembro de 1971

Presidente da Bienal: Ciccillo Matarazzo
Na comissão técnica de arte: Antonio Bento (crítico de arte), Geraldo Ferraz e Sérgio Ferro
No júri de seleção (artes plásticas): James Johnson Sweeney (Museum of Fine Arts, Houston), Lisetta Levi (crítica de arte)
No júri de premiação (artes plásticas): James Gleeson, José Geraldo Vieira, Nello Ponente

Salas especiais

Arnoldo Ramirez Amaya, Emílio Pettoruti, Giuseppe Capogrossi, Gravura (sala didática), Jorge Páez Vilaró, M. F. Husain, Marcel Floris, Movimiento “Forma y Espacio” (Chile), Omar Rayo, Picasso, Proposições, Relp Nesch, Sala Especial de Arquitetura: Banco Nacional de Habitação, Sala Homenagem Póstuma: Henrique E. Mindlin, Samson Flexor, Semana de 22, Victor Delfin, Vinte anos de Bienal.

  • Eventos paralelos

  • 11ª Exposição Internacional de Arquitetura
    9º Concurso internacional de escolas de arquitetura
    no júri de premiação: Demétrio Ribeiro, Rubens Portela. 
  • 3ª Bienal de Ciência e Humanismo
    participação de Prêmios Nobel: Louis AIvarez (física), John Kendrew (química), Ulf van Euler (fisiologia e medicina), Hugo Theorell (química), Marshal W. Nirenberg (genética).
  • Design de joias
    no júri de seleção: Geraldo Ferraz, Harry Laus; no júri de premiação: Caio Mourão, Walmir Ayala; entre os selecionados: Cleber Machado, Clementina Duarte.
  • Mesa Redonda Interncional de Críticos de Arte
  • Arte e Arquitetura
  • Concurso de cartazes
  • Semana de Arquitetura
    I Encontro Nacional de Escolas de Arquitetura
    Sessões plenárias
    Palestras com professores
    Palestras com arquiteto Luis Saia

Cartaz da 11ª Bienal de São Paulo. Autores: Godubin Belmonte e Moacyr Rocha

"Inspirou-se a Fundação Bienal, para formar a representação brasileira à XI Bienal, na possibilidade de uma seleção obtida através de uma Pré-Bienal. Era uma idéia que recebia o sôpro de todos os pontos do quadrante territorial. Uma convocação nacional deveria de tal forma produzir o que estava na essência viva daquela inspiração, e foi essa a prova experimentada por quantos apoiaram a solução, e tocados por ela, esperaram a resposta de todo o Brasil. Não tivemos uma resposta inteira. Mas, mesmo fragmentada, a resposta nos ofereceu a espetacular surprêsa de assinalar indicações em áreas inéditas do mapa" 
– Geraldo Ferraz, membro da Comissão Técnica de Arte e coordenador da representação brasileira na exposição, no catálogo da 11ª Bienal.
Nessa Bienal, surgiu pela primeira vez o júri de seleção – e premiação – em Arte Visuais.

publicações

11ª Bienal de São Paulo
17 2013
5ª Bienal de São Paulo
03 2012