O surgimento da figura de um curador-geral da mostra transformaria por completo os rumos da Bienal. O crítico e ex-diretor do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), Walter Zanini, foi o primeiro a assumir o posto, em uma edição que aboliu espaços separados por país e optou por agrupar as obras por “analogia de linguagem” (técnicas e temas). Também marca o fim do boicote à Bienal e a abertura política no país.

Presidente da Bienal: Luiz Diederichsen Villares
Curadoria-geral: Walter Zanini
Curadores: Petrônio França, Agnaldo Farias, Samuel Eduardo Leon (Cinema); Cacilda Teixeira da Costa (Video Art); Gabriela Suzana, Julio Plaza (Arte Postal); Annateresa Fabris, Victor Musgrave, Josette Balsa (Arte Incomum)
Curadores-adjuntos: Roberto Sandoval, Cida Galvão, Marília Saboya, Renata Barros
No conselho de arte e cultura: Casimiro Xavier de Mendonça, Donato Ferrari, Paulo Sérgio Duarte
Na comissão internacional para organização da exposição: Walter Zanini, Bruno Mantura (Itália), Donald Goodall (EUA)

"A idéia de expor por parâmetros essenciais e ordenadamente aspectos significativos da pluralidade artística, caracterizadora deste início da década 80, regeu as principais intenções da XVI Bienal de São Paulo, determinada segundo três núcleos de manifestações. A estrutura do primeiro desses setores, estabelecida para cumprir aquelas finalidades, foi pensada tendo em vista critérios de relação e analogias de linguagem, em substituição ao antigo sistema de espaços reservados às delegações de países convidados. Passava-se a uma exposição de artistas e não de artistas separados em compartimentos nacionais". - Walter Zanini
"Mudado o contexto histórico do Brasil, assumimos, no início desta gestão junto à Fundação Bienal de São Paulo, o compromisso de desempenhar uma ação cultural que contribuísse efetivamente para a realização dos novos anseios da sociedade. Empenhados, Diretoria, conselheiros e  funcionários, na transformação da Fundação Bienal num espaço de atividade contínua, incentivando o debate em torno da cultura e da arte em todas as suas formas de manifestação e ampliando seu acesso aos diversos setores da população, foram iniciados, entre outros, os seguintes projetos: 1) Reforma do Edifício, que viabilizaria a instalação de um centro de arte e cultura prevendo atividades de exposições, teatro, música, dança, oficinas e biblioteca; 2) o chamado Projeto Um, que daria possibilidades para atividades permanentes no pavilhão, nas áreas de artes plásticas, teatro, dança, música, cinema, poesia e fotografia; 3) o Projeto Utopia, que em três diferentes núcleos - simpósios, cursos e exposição (...); 4) o Projeto Ludoteca; 5) o Projeto de Reorganização e Revitalização do Arquivo, que recuperaria o passado da instituição, visando uma recuperação e renovação da mesma; 6) o Projeto Reciclagem; 7) o Projeto Parque Ibirapuera" - Luiz Villares
"Ao aprovar o normeamento geral da exposição, o Conselho de Arte e Cultura da FBSP preocupou-se com as dificuldades que a execução do projeto comportava, considerando a exiguidade do tempo. A troca de idéias com os países e a seguir com seus representantes designados não pode aprofundar-se em níveis desejados. Mas um lado positivo foi o de preparar o retorno de nações refratárias já para a Bienal de 1983. Por outro lado, sobreviriam mais tarde problemas de ordem financeiro que limitaram os objetivos para os Núcleos II e III assim como a vinda de artistas convidados para o Núcleo I". - Walter Zanini
5ª Bienal de São Paulo
02 2014
5ª Bienal de São Paulo
27 2013
11ª Bienal de São Paulo
17 2013
16ª Bienal de São Paulo
06 2013
3ª Bienal de São Paulo
10 2012
2ª Bienal de São Paulo
19 2012
5ª Bienal de São Paulo
03 2012
16ª Bienal de São Paulo
27 2012
16ª Bienal de São Paulo
08 2011