A Bienal rompe o calendário e passa a acontecer nos anos pares. O segmento histórico assume grande importância na edição, cujo tema, "Ruptura com o suporte", possibilitou explorar plataformas e poéticas observadas nas obras de Hélio Oiticica, Lygia Clark e Mira Schendel.

Presidente da Bienal: Edemar Cid Ferreira
Curador: Nelson Aguilar

fotos

O presidente da Bienal Edemar Cid Ferreira, o editor Pedro Paulo de Sena Madureira e o diretor internacional Jens Olesen, durante a 22ª Bienal © Autor não identificado
Vão central da 22ª Bienal com vista para as obras de Lucio Fontana, 'Ambiente Spaziale al Neon' [Ambiente espacial com neon]; Asta Gröting, 'Potemkinsche Dörfer' [Aldeias de Potemkin] e Richard Long, 'White River' [Rio branco] © Fernando Chaves
Vista parcial da 22ª Bienal com destaque para a série de Lygia Clark, 'Bichos', em sala especial dedicada à artista © Fernando Chaves
Cornelia Parker, 'Another Matter' [Outra matéria], representante do Reino Unido © Antônio Frazão
veja todas as fotos

planta

  • 1
  • 2
  • ;
  • 3
  • ;
  • 4
  • ;
"A orientação conceitual do evento foi dada com o tema Ruptura com o suporte. Com ele, Nelson Aguilar pretendia escapar de questões demasiado amplas oferecendo em troca um aspecto interno à história da arte e decisivo para a produção contemporânea, qual seja, o momento em que os artistas (como aconteceu no Brasil com Hélio Oiticica, Lígia Clark e Mira Schendel; de passagem as três salas especiais, núcleo da representação nacional), colocaram em cheque os suportes clássicos - pintura, escultura, desenho -, inventando outros meios de expressão, vários deles híbridos , num processo que levaria à ampliação da noção de arte".

FARIAS, Agnaldo (org.). Bienal 50 Anos, 1951-2001. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2001, p.241

"De fato, logo após o final da XXII Bienal, os jornais noticiavam que 167 obras de dezesseis artistas brasileiros, entre eles Hélio Oiticica, Tunga, Nuno Ramos, Leonilson, Waltércio Caldas, Daniel Senise e Mira Schendel estariam em onze galerias de Nova York sob o título de Art from Brazil in New York. A ideia teria surgido de três galeristas novaorquinos, Mary Sabbatino, Lori Ledis e Robert Flam, que visitaram a Bienal paulistana e ficaram impressionados com as obras que viram. “Nos reunimos e resolvemos montar um ‘braço da Bienal’ em Nova York”, disse Sabbatino. A iniciativa contou com patrocínio de sete empresas brasileiras e do Ministério das Relações Exteriores, cuja a informação seria “fazer uma reatualização da imagem do Brasil". 

ALAMBERT, Francisco e CANHÊTE, Polyana. As Bienais de São Paulo da era do Museu à era dos curadores (1951-2001). São Paulo: Boitempo Editorial, 2004, p.191