Intitulada "A iminência das poéticas", essa edição da Bienal adotou a metáfora da constelação como proposta curatorial e estabeleceu articulações discursivas entre passado e presente; centro e periferia; objeto e linguagem. Com grande número de obras de cada artista, a exposição privilegiou artistas latino-americanos e prestou homenagens a Arthur Bispo do Rosário e Waldemar Cordeiro. O projeto Mobile Radio montou uma estação de rádio no mezanino do pavilhão, com programação que se estendeu por todo o período da exposição.

Presidente da Bienal: Heitor Martins
Curador: Luis Pérez-Oramas
Curadores-adjuntos: André Severo, Tobi Maier
Curadora-assistente: Isabela Villanueva

"Bienal é Babel. (...) A última tragédia da América, quando finalmente parece que desperta, seria continuar imitando a Europa, e imitá-la também em seus esquecimentos: assim, alguns pretendem que as bienais da América sejam feitas mentalmente a partir de fora, e que, porque a Europa ou as nações dominantes do Atlântico Norte não recuaram em seu empenho, para seu próprio benefício de esquecer o mundo, agora devemos, como eles, herdando as culpas de um esquecimento que não é nosso, pretender ser globais, também e sempre para seu próprio benefício. Em compensação, seria importante aprender a ser locais, a estar situados: a reivindicar um lugar no mundo, a pensar a partir de um lugar, e não como carnavalescas figuras da inteligência, em mascarada, a partir de todos os lugares: falácia como poucas que nos conduz à ilusão de crer que vencemos para sempre as distâncias, as diferenças e os tempos" - Luiz Pérez-Oramas
"Iminência das Poéticas" seria a forma como artistas ou pessoas comuns como Arthur Bispo do Rosário estruturam uma nova possibilidade de olhar a realidade, um típico procedimento da arte contemporânea. (...) Com isso, o curador Luiz Pérez-Oramas organizou uma Bienal que evita o espetacular, no sentido do apelativo, para revelar o espetacular nas ações cotidianas, recriadas por uma intensão [sic] artística ou simplesmente paranoica.” CYPRIANO, Fabio. Bienal revela delírios contidos e brilha pelo conjunto da obra. Folha de S. Paulo, 14-10-2012.
“(...) o projeto desenvolvido pelo curador Luis Pérez-Oramas não apenas abole compartimentações, como as representações nacionais e as salas especiais dedicadas a artistas consagrados. Também procura anular as hierarquias históricas e geopolíticas entre os artistas representados. Quase metade dos selecionados são latino-americanos, incluindo aí os 23 brasileiros convidados. Estes, por sua vez, estão, em sua grande maioria, na Bienal pela primeira vez. (...) A obsessão com a catalogação, registro e ordenação da diversidade é identificada por Oramas como uma característica central da arte contemporânea e constitui um dos mais fortes eixos da exposição.” HIRSZMAN, Maria. A arte como sistema visual. O Estado de S. Paulo, 02-09-2012.
5ª Bienal de São Paulo
02 2013
30ª Bienal de São Paulo
01 2013
30ª Bienal de São Paulo
05 2012
30ª Bienal de São Paulo
14 2012
30ª Bienal de São Paulo
26 2012
13ª Bienal de São Paulo
11 2012
13ª Bienal de São Paulo
29 2012
30ª Bienal de São Paulo
09 2012
25ª Bienal de São Paulo
25 2012
24ª Bienal de São Paulo
11 2012
1ª Bienal de São Paulo
05 2012