"Ainda que novamente seja utilizada a reprodução da obra de um artista, o resultado foge ao diagrama-padrão adotado no cartaz da Bienal anterior. Tendo como pano de fundo o tema dessa edição da Bienal, "Antropofagia", a imagem escolhida é seca e contundente. Contrariamente ao excesso dos cartazes da 21ª e 22ª, neste caso reinam a limpeza e a precisão. O desenho flutua no plano preto, e nele uma figura caminha sobre um fio, sugerindo o delicado equilíbrio que caracteriza o trabalho do artista, independente de época ou lugar". Bienal 50 Anos, 1951-2001, 2001, p.304
Autoria: Leonilson; Raul Loureiro e Rodrigo Cerviño Lopez