menu
  • Geral
  • 32ª Bienal
04 Março 2016
Dias de Estudo em Santiago inauguram programas públicos da 32ª Bienal
Desenho de Pilar Quinteros
Desenho de Pilar Quinteros ©Cortesia da artista
Os Dias de Estudo em Santiago enfocarão cosmologias e relações entre arte e ciência, mito e história de uma perspectiva do tempo presente. Evento público em 12 de março no Museo de la Memoria y los Derechos Humanos.

Os Dias de Estudo - Santiago inauguram os programas públicos da 32ª Bienal de São Paulo e são organizados pela Fundação Bienal de São Paulo em colaboração com o Consejo Nacional de la Cultura y las Artes - CNCA. Dias de Estudo posteriores ocorrerão em Acra, Lamas, Cuiabá e São Paulo, e serão dedicados à pesquisa, intercâmbio e discussão pública de temas relacionados à 32a Bienal de São Paulo.

Os Dias de Estudo incluem viagens de campo a centros culturais, comunidades tradicionais, reservas ecológicas, ateliês de artistas e centros de pesquisa, bem como conferências abertas ao público, incluindo palestrantes convidados e profissionais locais de diferentes trajetórias e disciplinas. Os encontros são propostos para promover um intercâmbio entre proponentes e agentes dos projetos das regiões e para propiciar a base para um diálogo que busca desenvolver modos de pensar e criar juntos.

O evento público dos Dias de Estudo – Santiago “Cosmologias de Inícios e Fins (e de Meios, Também)” enfocará cosmologias e relações entre arte e ciência, mito e história de uma perspectiva do tempo presente. O programa público no dia 12 de março inclui apresentações de Yann Blanc Chateigné, Pierre Huyghe, Pia Lindman, Jacinta Arthur, Macarena Morales, Pilar Quinteros e dos curadores da 32ª Bienal, Jochen Volz e Lars Bang Larsen. O Dia de Estudo em Santiago do Chile é realizado com o apoio do Consejo Nacional de la Cultura ya las Artes, do Museu de la Memoria y los Derechos Humanos, da Galeria Gabriela Mistral e da Frame Visual Art Finland.

Com o título de Incerteza viva, a 32ª Bienal de São Paulo se concentra em noções de “incerteza” e “entropia” para refletir sobre as condições atuais da vida em tempos de mudança constante e as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para abrigar ou habitar a incerteza. A exposição, sob curadoria de Jochen Volz juntamente com os co-curadores  Gabi Ngcobo (África do Sul), Júlia Rebouças (Brasil), Lars Bang Larsen (Dinamarca) e Sofía Olascoaga (México), será realizada de 10 de setembro a 11 de dezembro de 2016 no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, destacando aproximadamente 90 artistas e coletivos.

  

Um marco conceitual para os Dias de Estudo Santiago

Um mundo sem exteriores: nenhum habitat não poluído, poucos limiares nos quais a sociedade possa se refazer contra as forças de exploração, nenhuma utopia. À medida que as forças da globalização comprimem o tempo e o espaço, parece que a própria história é atraída ao redor do ponto central fixo de nossa contemporaneidade. A história não é mais vista como resultado de dialética mas se desenrola dentro de redes.

Como abrir tempo e espaço? Uma cosmologia pode ser vista como o exercício de uma imaginação – realista ou irrealista – do cosmos e de nosso lugar dentro dele. É uma ecologia da consciência tanto quanto uma ecologia do mundo. Cosmologias são propriedade da ciência e da religião, bem como de artistas e crianças. Nesse espírito, Dias de Estudo - Santiago propõe dois conceitos – um relativo ao espaço, outro ao tempo, – como eixos para essa discussão: ecologias e xenocronia.

A obra de pensadores como Humberto Maturana e Francisco Varela abre-se para uma compreensão ecológica de como a cultura humana está indissoluvelmente co-implicada com influências não humanas. Essas configurações humanas/não-humanas também abrangem a interação de coisas e organismos naturais e tecnológicos: bactérias, redes, máquinas e enxames de material que atuam juntos e afetam fundamentalmente vidas humanas. Entendidas como coletivos animados de uma força autopoética própria, essas montagens vivas tendem a apagar a diferença entre natureza e cultura. Na perspectiva de tal ontologia vibrante, não se pode supor nem o progresso histórico nem a supremacia humana.

O conceito de xenocronia – tempo estranho ou estrangeiro – provavelmente foi cunhado por Frank Zappa, que o empregou para descrever uma técnica de gravação na qual uma seqüência musical é tirada de seu contexto original e incorporada em uma canção diferente. Isto criava uma combinação inesperada de sintonias, intenções e climas de tempo. Segundo o historiador da arte Yann Chateigné, uma historiografia xenocrônica é capaz de indicar referências fora dos eventos correntes e linhas de tempo estabelecidas. Diferentes temporalidades podem ser abarcadas e entrelaçadas, entre o tempo humano e não humano, tempo de máquina e tempo biológico, experiência individual e longue durée, tempo de semente e tempo de flor.

Como dois tipos de pensamento cosmológico, os Dias de Estudo - Santiago aciona ecologias e xenocronia para trabalhar nas fronteiras que separam conhecimento de ignorância, tempo de espaço e transformar um no outro. Como narrativas de coexistência e coevolução que invadem nosso presente, estão alinhadas com o modo como os artistas hoje reavaliam formas de saber, perceber e relacionar.

  

Atividades do programa público

Sábado, 12 de março, auditório do Museo de la Memoria y los Derechos Humanos, de 10h30 às 17h. Tradução simultânea (Inglês para Espanhol – Espanhol para Inglês) disponível. Entrada franca.

 Programa

10:30 Jochen Volz: Boas Vindas

10:45 Lars Bang Larsen: Introdução

11:15 Jacinta Arthur: "Reclamando o Maná: Ontologias, Patrimônio e Repatriação em Rapa Nui”

12:00 Pilar Quinteros: “Sinais de Fumaça”

12:40-13:30 Pausa para o almoço

13:30 Yann Chateigné: 'Asterochronies'

14:15 Pia Lindman: “Talvivaara / Perigo de inverno”

15:00-15:30 Pausa para café

15:30 Macarena Morales: “Imaginario baraditiano: Entre Borges e a Política, o cômico, o mito e a vanguarda”

16:10 Pierre Huyghe: Proteção de tela e conversa

17:00 Comentários finais

Participantes

Jacinta Arthur (Chile, Doutora em Estudos Culturais pela Universidade da California, Los Angeles - UCLA)
Sua pesquisa se concentra em Rapa Nui. Seu projeto de doutorado propõe um estudo da repatriação do patrimônio indígena, que examina como parte dos movimentos de soberania cultural e direitos indígenas. Para além da pesquisa acadêmica, coordena o Programa de Repatriação Rapa Nui, composto com colaboradores Rapanui idosos, tradicionalistas e jovens profissioanis. Foi recentemente professora visitante da UCLA, está prestes a começar uma residência como pesquisadora na Smithsonian Institution.         

Macarena Areco Morales (Doutora em Literatura e profesora assistente, Pontificia Universidade Católica de Chile)
Suas linhas de pesquisa incluem os modos de imaginar e relatar o presente e as representações de futuro na narrativa chilena e latino-americana recente. Seu trabalho implica na análise imanente de narrações e o estabelecimento dos vínculos possíveis existents entre os textos e os desenvolvimentos teóricos pertinentes, assim como os contextos politico culturais e biográficos relacionados.

Pia Lindmann (artista – Finlândia)
Professora na Alvar Aalto University, Helsinki. Formada originalmente em arquitetura, a prática artística de Lindman é interdisciplinar e baseada em pesquisa, “contribuindo para os campos do design, estudos ambientais e arte como prática e pesquisa”. No momento está envolvida na construção de ambientes não tóxicos, pesquisa de culturas de cogumelos e aprendizado e aplicação de técnicas de cura finlandesas pré-científicas. Trabalhou anteriormente com temas xamanistas para uma exposição em Medellín.

Pilar Quinteros (artista – Chile)
Nasceu em 1988 (Santiago, Chile). Graduação em Arte pela Pontificia Universidad Católica de Chile (2011). Ela é cofundadora e membro atuante do coletivo de arte MICH (Museu Internacional do Chile), coletivo multidisciplinar dedicado à geração de projetos reflexivos, espaços artísticos e trabalho de arte. Vencedora da Bolsa Jean-Claude Reynal (2012) para artistas trabalhando em papel, concedida pela Fundação de França e Escola de Belas Artes de Bordeaux. Quinteros é vencedora do terceiro lugar da Bolsa de Arte CCU (2013) e finalista do Prêmio de Arte Geração Futura de 2014, concedido pelo PinchukArtCentre, Kiev.

Pierre Huyghe (artista – França, residindo no Chile)
Pierre Huyghe nasceu em Paris em 1962. Estudou na École Nationale des Arts Décoratifs, Paris. Recebeu o prêmio Hugo Boss em 2002 e  Prêmio Especial da 49a Bienal de Veneza em 2001. Realizou exposições individuais no Moderna Museet, Estocolmo; Centre National d’Art Contemporain, Grenoble; Dia Center for the Arts, Nova York; Centre Georges Pompidou, Paris e Museu de Arte Contemporânea, Chicago. Seus trabalhos têm sido expostos em locais como a Whitechapel Art Gallery, Londres; Documenta 11, Kassel e P.S.1 Center for Contemporary Art, Nova York.

Yann Chateigne (historiador da arte – França)
Historiador da arte e curador, Yann Chateigné é atualmente reitor da Haute école d’art et de design em Genebra. Suas atribuições na escola envolvem também a direção do instituto curatorial e espaço de exposição LiveInYourHead bem como Fieldwork, um programa de pesquisa e residência abrangendo vários locais (Genebra, Nantes e Marfa, Texas). Yann Chateigné é pós-graduado pela École du Louvre em Paris.

  

Dias de Estudo - Santiago, 32ª Bienal de São Paulo: Incerteza viva
12 de março de 2016 • 10h30 - 17h
MMDH - Museo de la Memoria y los derechos humanos
Matucana, 501, Santiago
Metro quinta Normal
Estacionamento subterrâneo público pela rua categral ao chegar a Matucana
Entrada franca

32ª Bienal de São Paulo
27 Junho 2016
32ª Bienal de São Paulo
20 Junho 2016
32ª Bienal de São Paulo
06 Junho 2016
32ª Bienal de São Paulo
18 Maio 2016
32ª Bienal de São Paulo
19 Abril 2016
32ª Bienal de São Paulo
07 Abril 2016
32ª Bienal de São Paulo
02 Abril 2016
15ª Bienal de Arquitetura de Veneza
29 Março 2016
32ª Bienal de São Paulo
14 Março 2016
15ª Bienal de Arquitetura de Veneza
15 Dezembro 2015
14 Dezembro 2015